Atendimento:

9.00 - 18.00

Whatsapp:

21 3005-9186

Ligue:

21 3005-9186

planejamento tributario para academias

Planejamento Tributário para Academias e atividades esportivas: Qual a importância e os impactos de uma boa Gestão Tributária

A carga tributária é uma das coisas que mais preocupam os empresários na hora de montar um negócio. Isso devido o nosso país ser um dos que possuem a maior carga tributário do mundo. Por isso uma Gestão Tributária eficiente e realizada por um bom profissional é de extrema importância para a empresa fazer uma boa gestão financeira do seu negócio. Apesar da importância, muitos gestores de academia não se atentam para esse fato e acabam não considerando as informações tributárias na hora de precificar seus serviços.

A questão é que a gestão tributária é essencial para a academia obter sucesso e pode até influenciar na quantidade de alunos. Quer saber como? Continue lendo nosso artigo e saiba como você pode ser um empresário de sucesso.

Quais são os impactos do Planejamento tributário na academia?

Manter sua academia em dia com os impostos pagos permite que você fique regularizado perante a fiscalização nos órgaos governamentais. Isso reduz a chance de sua academia se sujeitar a fiscalizações e multas.

O planejamento tributário tem impacto direto na formação de preço do serviço. Quanto maior a carga tributária, maior será o custo do serviço e por consequencia seu preço final também será elevado. Um bom planejamento feito por uma contabilidade especializada no seu segmento pode reduzir e muito a sua carga tributária.

Mas Tokius, eu não sei quanto é a minha carga tributária! Como eu vejo isso?!

Calma... como dito acima, saber a carga tributária é essencial pra formação de preço do seu serviço. Não só pra formação, mas pra muitas decisões importantes que podem ser tomadas pela empresa, tais como; aumento de salário, benefícios a empregados, aumento em Investimentos para alavancar suas vendas, etc.

A visualização de quanto de impostos e contribuições sua academia irá pagar se dá no momento da escolha do Regime Tributário que pode ser: Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real.

A escolha correta e planejada do regime tributário pode acarretar um valor extremamente baixo de impostos, por exemplo, hoje no Simples Nacional se o seu contador fizer um bom planejamento pode fazer que sua empresa pague uma alíquota de 6%!!! Isso considerando um faturamento médio de 15 mil mensais e outros fatores.

Hoje grande parte das Academias são tributadas pelo Regime do Lucro Presumido que é de aproximadamente 16,33%, porém com as mudanças ocorridas no Simples Nacional as Academias podem reduzir essa alíquota para 6% !! Veja que fazendo a Gestão Tributária de forma eficiente sua academia poderá economizar cerca de 60% em pagamento de impostos!!

Portanto siga essas 3 dicas que lhe darei abaixo e tenha um planejamento eficiente da sua carga tributária:

  1. Encontre o melhor Regime Tributário para sua atividade

Fale com um contador especialista no seu negócio e ele lhe dará a melhor opção a ser escolhida, dentre o Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real. Nem sempre o Simples Nacional será o melhor regime a ser escolhido, pois ele é tributado por faixa de faturamento e pode variar para alíquotas maiores que o Lucro Presumido. Logo, é preciso avaliar caso a caso, por isso a importância de ter um contador especializado no seu segmento que entenda a sua realidade.

      2. Encontre um Contador Especializado no seu segmento

Conforme já mencionado, o trabalho do contador será de te passar os cenários da sua academia nos três regimes tributários já mencionados e lhe mostrar o melhor caminho a seguir em relação a tributação da sua academia.

Busque uma contabilidade que te proporcione relatórios gerenciais, onde você possa visualizar através de Gráficos onde está gastando mais, ou os períodos em que o faturamento tem um pico elevado ou uma baixa. Tudo isso tem que ser levado em consideração na escolha de um contador para que sua academia tenha sucesso.

      3. Utilize um sistema de Gestão Financeira

Com a utilização de um software de Gestão Financeira você passa a ver a saúde financeira da sua empresa em tempo real, por exemplo fluxo de caixa, contas a pagar e a receber. Ele também facilita na integração do sistema do contador, o que gera menos tempo de lançamentos contábeis e por conseguinte proporciona um trabalho mais consultivo e de análise empresarial do contador para sua empresa.

E aí, gostou do nosso artigo? Deixe seu comentário abaixo e cadastre-se para receber mais dicas. A Tokius Contabilidade é especializada para Academias, studios CrossFit, Personal Trainers e outras atividades esportivas, solicite sua proposta sem compromisso clicando AQUI !

Leia também nosso artigo Academias e o Simples Nacional - Optar ou não?

saiba o que faz um representante comercial

REPRESENTANTE COMERCIAL, O QUE FAZ E COMO ELE PODE ALAVANCAR SEU NEGÓCIO?

Representante Comercial, o que ele faz? Essa pode ser uma pergunta muito comum para empresas que estão começando, ou mesmo, profissionais que querem entrar nesta área. Bem, o Representante Comercial, é fundamental para o funcionamento das empresas em geral, isso porque é esse profissional que garante que o seu produto ou serviço se destaque em relação a concorrência e, por consequência, venda mais.

Vale ressaltar que o Representante Comercial possui uma enorme responsabilidade junto à empresa já que eles são o elo entre a marca que representa e os clientes, sendo assim, ele se torna parte crucial da imagem da empresa, por isso, os negócios que optarem por trabalhar em modelos de vendas onde representantes sejam necessários, precisam de atenção à seleção desses colaboradores.

Quanto ao vínculo de um Representante Comercial com a empresa, ele pode ser tanto empregatício, quanto autônoma. Como empregado, o representante se torna um funcionário e passa a contar com todos os benefícios que constituem um contrato CLT, já xomo autônomo, o Representante Comercial pode atuar com diversas empresas diferentes ao mesmo tempo através de um contrato que garanta direitos à ambas partes, além disso, deve possuir o Registro de Autônomo junto ao INSS.

Como podemos ver, o Representante Comercial pode levar à sua empresa aos mais altos patamares de vendas, entretanto, todo cuidado é pouco no momento de definir quem serão seus representantes e como serão suas métricas de sucesso.

Veja agora 4 Passos para ser um Representante Comercial de Sucesso!!

O Representante Comercial, possui algumas responsabilidades muito importantes na busca pelas vendas.

Alencamos abaixo os as principais caracteristicas que um representante comercial deve possuir para alvaçar o sucesso !

1 – ENTENDER O PÚBLICO ALVO

Antes de mais nada, ele precisa entender o público alvo do produto ou serviço que estará oferecendo. Exatamente por isso, diversas empresas optam pela contratação de representantes que possuam experiência com aquele segmento, assim, já conhecem a maioria das necessidades e objeções dos clientes.

2 – BOA COMUNICAÇÃO

O represtante deve saber passar ao cliente exatamente o que está pensando, além de saber ouvir e entender o cliente.

3 – CONFIANÇA

Ser confiante é fundamental, já que transmite ao cliente uma a sensação de estar prestes a adquirir algo que realmente vai sanar o seu problema, entretanto, é preciso entender que confiança e arrogância são bem diferentes… e ninguém compra de uma pessoa arrogante que acha que sabe de tudo.

4 – PERSISTÊNCIA E PACIÊNCIA

Talvez esss são as características mais importantes do Representante Comercial, isso porque dificilmente um negócio é fechado “de cara”. Aparecem muitas objeções, dúvidas, opiniões divergentes dentre os sócios da empresa e assim por diante, por isso, o representante preparado possui todas as respostas para as questões sobre o produto, se mostra sempre disponível para novas conversas e ainda, sabe a hora de esperar pela decisão do cliente.

VEJA OS 4 ITENS PRINCIPAIS PARA ALAVANCAR SUAS VENDAS!!

Que o representante vende, isso já sabemos, mas o processo que ele percorre para chegar à venda é que faz dele um sucesso…ou um fracasso! Por isso, separamos uma lista com 4 itens fundamentais para que o Representante Comercial possa alavancar as vendas.

1- Organização: antes de mais nada, o representante precisa ter organização e planejamento para respeitar os horários e datas das reuniões, para não “esquecer” algum cliente que precisou de um tempo para tomar sua decisão, para conhecer o cliente antes mesmo da primeira reunião e para fazer tudo de forma a otimizar seu tempo e os custos gerados (através de contatos telefônicos, reuniões presenciais e assim por diante).

2- Conhecimento do produto: o representante precisa conhecer plenamente o que está oferecendo! Sendo assim, precisa entender cada uma das especificações e funcionamentospontos fortes e fracos, condições comerciais, além de dados e especificações da empresa (como prêmios e clientes famosos).

3- Conhecimento da concorrência: levando em conta que hoje em dia a maioria das pessoas fazem uma pesquisa antes de realizar uma compra, é função do Representante Comercial fazer o mesmo. Sendo assim, ele precisa saber onde a concorrência é melhor que o seu produto e vice-versa. Ter esse conhecimento pode garantir uma venda através da argumentação e quebra de possíveis objeções.

4- Conhecimento do cliente: antes mesmo de entrar em contato com o cliente, o representante precisa ter em mãos o maior número possível de informações sobre ele. Quem são seus concorrentes, como tem sido seu crescimento nos últimos anos, quais são seus pontos fracos e assim por diante. Além disso, procure entender um pouco sobre o seu ramo de atividade através de fatores como líderes de mercado, tendências e perfil dos seus clientes.

E aí gostou do nosso artigo? Deixe seu comentário e cadastre-se para receber outras dicas.

A Tokius Contabilidade é especializada no seu segmento e pode te ajudar no crescimento do seu negócio! Solicite uma proposta clicando AQUI !

Como ser um representante de sucesso

COMO ABRIR UMA EMPRESA DE REPRESENTAÇÃO COMERCIAL?

Se você trabalha como autônomo e já tem uma carteira de cliente ou mesmo se deseja iniciar no ramo, confira como abrir uma empresa de representação comercial.

Um representante comercial tanto pode trabalhar como autônomo ou constituir sua empresa e exercer sua profissão como pessoa jurídica. Em ambos o casos haverá a necessidade de se registrar no Conselho Regional dos Representantes Comerciais – CORE. Esse registro, de acordo com a lei 4.886/65, é obrigatório para quem deseja atuar como representante comercial no Brasil.

Para abrir uma empresa de representação comercial é importante atender a alguns requisitos especiais. Nem todas as pessoas físicas ou jurídicas podem se tornar representantes, de acordo com a legislação. Os impedimentos para atuar como representante comercial são os seguintes:

  • Não pode ser representante comercial uma pessoa física que tenha falência não reabilitada, não podendo, portanto, abrir uma empresa de representação comercial;
  • Quem tenha sido condenado por infrações penais de natureza difamante, como falsificação, estelionato, apropriação indébita, contrabando, roubo ou furto;
  • Quem tenha cometido crimes quando em atividades de cargos públicos;
  • Quem estiver com o registro de representante comercial cancelado como penalidade.

Passos para abertura de empresa de representação comercial:

1 – ESCOLHA DA ESTUTURA JURÍDICA

Ao decidir pela constituição da sua empresa, é preciso levar em conta alguns fatores, como a escolha da estrutura jurídica, que poderá ser uma empresa individual ou uma sociedade de responsabilidade limitada. Antes de abrir o seu negócio, recomenda-se analisar as estruturas e buscar o auxílio de um contador.

2 – ESCOLHA DA MELHOR FORMA DE TRIBUTAÇÃO

Para quem pretende abrir uma empresa de representação comercial é fundamental conhecer todas as obrigações impostas pela legislação para o exercício desta atividade, principalmente as relacionados aos regimes de tributação. Uma empresa de representação comercial poderá optar pelo Simples Nacional, o Lucro Presumido e o Lucro Real.

Para escolher o melhor regime, no entanto, o profissional, ao abrir uma empresa de representação comercial, deve conversar com um contador especializado em contabilidade para representação comercial, verificando qual a forma de tributação é mais vantajosa, comparando o que poderia ter de benefícios entre eles. Para isso, o ideal é sentar com seu contador e fazer um bom planejamento tributário.

3 – LOCALIZAÇÃO

O representante Comercial atua em um mercado amplo, podendo estabelecer contrato empresas dos mais diversos setores, como indústrias do setor alimentício, farmacêutico, têxtil, entre outros. Além de um mercado promissor, uma das principais vantagens deste tipo de negócio é que não há necessidade de investir em instalações próprias, sendo que a empresa pode ser sediada na própria residência do empreendedor.

4 – ÓRGÃOS QUE DEVEM SER REGISTRADOS

Nesta etapa, você terá uma série de formalidades legais a cumprir. É importante realizar uma consulta prévia na prefeitura municipal, antes de qualquer procedimento para a abertura do seu negócio. O registro da empresa deverá ser feito nos seguintes órgãos:

– Junta Comercial – arquivamento do contrato social/ato constitutivo;
– Secretaria da Receita Federal – obtenção do CNPJ;
– Secretaria Estadual de Fazenda – no caso do escritório comercializar produtos, além de serviços;
– Prefeitura Municipal – obtenção do alvará de funcionamento;
– Caixa Econômica Federal, para cadastramento no INSS/FGTS;
– Corpo de Bombeiros Militar – regularização do estabelecimento comercial;

5 – FAZER REGISTRO DA PESSOA JURÍDICA NO CORE

O próximo e último passo para abrir a sua representação comercial é fazer seu registro profissional Conselho Regional dos Representantes Comerciais (CORE). No site do Conselho Federal dos Representantes Comerciais (Confere), você pode consultar o endereço do CORE mais próximo. Documentos necessários para emissão de registro para pessoa jurídica:

– Contrato social da empresa;
– CNPJ;
– Registro no Conselho Regional de Contabilidade (CRC) do contador responsável;
– Comprovante de recolhimento da Guia de Contribuição Sindical do ano em exercício;
– Comprovante de recolhimento da taxa de inscrição, anuidade e multa (se houver).

Contrato de representação Comercial:

Se você deseja exercer a atividade de representante comercial, tenha sempre em mente a importância de celebrar um contrato de representação comercial. Esta é uma formalidade de suma importância para os seus negócios. O contrato estabelece normas e promove a segurança das partes envolvidas na negociação.

VEJA DICAS CRUCIAIS PARA SER UM BOM REPRESENTANTE COMERCIAL!!

Em geral, como em qualquer profissão, existem os Representantes Comerciais com um resultado dentro da média, o que gera um retorno para a empresa, e existe o Representante Comercial acima da média, que em geral, gera ótimos resultados pessoais e para a empresa. Entretanto, não basta querer ser acima da média…é preciso dedicação.

Além de tudo que já falamos, o representante acima da média possui ainda outros costumes e ações que o levam a esse patamar.

Veja algumas dicas cruciais para que uma reunião possua um resultado acima da média:

  • Ser educado;
  • Não usar o celular durante uma reunião;
  • Mostrar interesse no cliente olhando em seus olhos;
  • Estar atento;
  • Não interromper o cliente;
  • Ser solidário ao problema do cliente;
  • Falar corretamente.

Além disso, o diferencia o representante de um ótimo representante é o pós venda, é o fato do Representante Comercial mostrar ao cliente que ele é muito mais que um número em sua carteira. Inclusive, com essa atitude, é possível realizar novas vendas para o mesmo cliente.

Outro fator crucial para o sucesso nessa carreira é possuir capacidade de negociação. Em outras palavras, é se colocar no lugar do cliente e ter a certeza de que o seu produto pode resolver os problemas dele, é gerar empatia e confiança. Possuir capacidade de negociação é, também, não vender a qualquer custo!

E aí gostou do artigo? Deixe seu comentário e cadastre-se para receber outras dicas.

A Tokius Contabilidade é especializada no seu segmento e pode te ajudar no crescimento do seu negócio! Solicite uma proposta clicando AQUI !

Fonte: Erpflex

academia pague menos impostos

Academias e o Simples Nacional – Optar ou não pelo Simples Nacional?

Com a alteração da Lei Complementar 155 de 27 de outubro de 2016 em que algumas atividades foram realocadas em anexos com o objetivo de reorganizar e simplificar a apuração dos impostos no simples nacional, as ACADEMIAS DE MUSCULAÇÃO ou GINÁSTICAS foram uma das quais sofreram mudanças.

As empresas cujas atividades sejam de ACADEMIAS DE GINÁSTICA (CNAE 9313/100) podem optar Simples Nacional e estão enquadradas no anexo III do Simples Nacional.

A primeira faixa de faturamento no anexo III é de R$ 180.000 e se inicia com uma aliquota de 6% sobre a receita bruta dos últimos 12 meses, considerando uma Academia que não tenha gastos com folha de pagamento.

Uma das alterações que a Lei do Simples Nacional trouxe é a possibilidade dessa atividade também ser tributada pelo anexo V, no qual alíquota inicial da primeira faixa é de 15,5%.

A alíquota pode variar dependendo do gasto que a sua empresa terá com folha de pagamento, pois se o seu gasto com folha for maior ou igual ao fator “r” de 0,28 (28%) sua empresa será tributada pelo anexo III cujas aliquotas são menores. Por exemplo, sua empresa tem um faturamento anual dentro da 1ª faixa que é 180.000 e o fator “r” for maior ou igual a 0,28 a alíquota a ser utilizada será de 6%, porém se o fator r for menor que 0,28 será tributada pelo anexo V que é de 15,5%.

Como podemos ver as Academias de Gisnásticas e todas as empresas que se enquadrem no CNAE 9313/100 podem ter uma variação de tributação entre 6% a 15,5% , consinderando uma empresa que fature em torno de R$180.000 nos últimos 12 meses.

Mas afinal, o que é esse fator “r” ?

O fator “ r “ nada mais é do que a razão em percentual do total de gasto com folha de pagamento nos últimos 12 meses sobre o total de faturamento dos últimos 12 meses, logo você pega o valor da folha de pagamento e divide pelo falor do faturamento acumulado nos 12 meses para achar o percentual do fator “r”.

Quais foram as alterações da Lei?

§ 5o-D. Sem prejuízo do disposto no § 1o do art. 17 desta Lei Complementar, as seguintes atividades de prestação de serviços serão tributadas na forma do Anexo III desta Lei Complementar:

II - academias de dança, de capoeira, de ioga e de artes marciais;

III - academias de atividades físicas, desportivas, de natação e escolas de esportes;

A tabela de tributação do ANEXO III é a seguinte:

Receita Bruta em 12 Meses (em R$) Alíquota Valor a Deduzir (em R$)
1ª Faixa |   Até 180.000,00   6,00%  -
2ª Faixa |  De 180.000,01 a 360.000,00  11,20%   9.360,00
3ª Faixa |  De 360.000,01 a 720.000,00 13,50% 17.640,00
4ª Faixa |  De 720.000,01 a 1.800.000,00 16,00% 35.640,00
5ª Faixa |  De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 21,00% 125.640,00
6ª Faixa | De 3.600.000,01 a 4.800.000,00 33,00% 648.000,00

 Aqui podemos observar que os percentuais são bem mais favoráveis, considerando uma empresa com faturamento acumulado de 180.000 e cujo fator r seja maior que 28% pagaria seus impostos do Simples Nacional com a alíquota de 6%.

Porém com já mencionamos se o percentual do fator “ r ” for menor que 28% a empresa será tributada pelo anexo V.

§ 5o-M.  Quando a relação entre a folha de salários e a receita bruta da microempresa ou da empresa de pequeno porte for inferior a 28% (vinte e oito por cento), serão tributadas na forma do Anexo V desta Lei Complementar as atividades previstas:

I - nos incisos XVI, XVIII, XIX, XX e XXI do § 5o-B deste artigo

II - no § 5o-D deste artigo.                

Nesse caso em que o fator r for menor que 28% a academia será tributada pelo anexo V, nos seguintes percentuais:

Receita Bruta em 12 Meses (em R$) Alíquota Valor a Deduzir (em R$)
1ª Faixa | Até 180.000,00  15,50% -
2ª Faixa | De 180.000,01 a 360.000,00 18,00%   4.500,00
3ª Faixa | De 360.000,01 a 720.000,00 19,50%  9.900,00
4ª Faixa | De 720.000,01 a 1.800.000,00 20,50% 17.100,00
5ª Faixa | De 1.800.000,01 a 3.600.000,00 23,00% 62.100,00
6ª Faixa | De 3.600.000,01 a 4.800.000,00  30,50%   540.000,00

São percencentuais maiores, porém ainda assim é mais vantajoso optar pelo Simples Nacional pra academias que mantem um faturamento acumulado dentro da 1ª faixa do que optar pelo lucro presumido que tem uma tributação de 16,33% (PIS = 0,65%; COFINS = 3%; IRPJ = 4,8%; CSLL = 2,88% e ISSQN = 5%).

Mesmo com toda essa mudança é possível com um bom planejamento manter a empresa tributada no anexo III com um fator r acima de 28%.

Veja o que podemos enquadrar como gasto com folha de pagamento segundo a Lei do Simples Nacional:

§ 24.  Para efeito de aplicação do § 5o-K, considera-se folha de salários, incluídos encargos, o montante pago, nos doze meses anteriores ao período de apuração, a título de remunerações a pessoas físicas decorrentesdo trabalho, acrescido do montante efetivamente recolhido a título de contribuição patronal previdenciária e FGTS, incluídas as retiradas de pró-labore.

Fator R FOLHA DE SÁLARIOS + ENCARGOS ACUMULADOS NOS ÚLTIMOS 12 MESES
= RECEITA BRUTA ACUMULADA NOS ÚLTIMOS 12 MESES

É possível enquadrar minha academia sempre no anexo III e assim pagar uma alíquota menor?

Como vimos acima, com um bom planejamento tributário é possivel manter o fator “ r ” acima dos 28% e tributar pelo anexo III. O grande desafio é que a maioria das empresas não resgistram seus funcionários. E essa é uma oportunidade de ficar regular perante a justiça trabalhista e previdenciária com os recolhimentos devidos de INSS e FGTS e com isso reduzir a carga tributária da sua empresa.

Quando a empresa não tem funcionários registrados a melhor forma de se chegar ao percentual de 28% pra tributar pelo anexo III é fazendo a retirada de pró-labore dos sócios e essa retirada não deixa de ser um benefício para o sócio, pois além de passar a estar segurado pelo INSS em casos acidente, doença ainda contribui para redução da carga tributária da academia.

Vejamos um exemplo de uma academia que não tenha funcionário registrado:

Para um faturamento inicial de R$ 10.000 , para se enquadrar no anexo III o sócio teria que fazer uma retirada de pró-labore de no minimo R$ 2.800.

Assim o fator r seria: 2.800/10.000 = 0,28 (28%)

Sendo os tributos:

SIMPLES NACIONAL = 10.000 x 6% = 600,00

INSS 11% = 2.800 x 11% = 308,00

IR = ( 2.800 - 308 ) x 7,5% - 142,80 = 44,10

TOTAL DE TRIBUTOS A RECOLHER = 952,10

Nesse exemplo o percentual de tributos pago (SIMPLES, INSS e IR) sobre o faturamento foi de 10% (952,10/10.000).

Lembrando que no cálculo do IR caso a pessoa tenha dependente esse valor pode chegar a zero!

O que nós da Tokius Contabilidade concluimos é que as alterações ocorridas em 2018 de acordo com as novas regras é possivel sim com um bom planejamento tributário reduzir a carga tributária.

Ressaltamos que o percentual da folha de pagamento é calculada sobre a receita bruta acumulada nos 12 últimos meses. No exemplo dado acima, imaginemos que esse faturamento tenha sido em Janeiro de 2018, em Fevereiro o o faturamento deverá ser somado ao de janeiro e assim sucessivamente nos últimos 12 meses:

  RECEITA BRUTA FOLHA DE PGTO
JANEIRO  R$ 10.000,00 R$ 2.800,00
FEVEREIRO  R$ 8.000,00 R$ 2.800,00
TOTAL ACUMULADO R$ 18.000,00 R$ 5.600,00
     
FATOR R =    5.600/18.000 = 31% > 28%, LOGO TRIBUTA NO ANEXO III  

 No exemplo abaixo colocamos uma situação em que o percentual é inferior a 28%, nesse caso seria tributado pelo anexo V pela alíquota de 15,5% !  

  RECEITA BRUTA FOLHA DE PGTO
JANEIRO R$ 8.000,00 R$ 2.800,00
FEVEREIRO R$ 10.000,00  R$ 2.800,00
MARÇO R$ 15.000,00  R$ 2.800,00
TOTAL ACUMULADO  R$ 33.000,00   R$ 8.400,00
FATOR R =    FATOR R = 8.400/33.000 = 25%  

 Para evitar essa oscilação entre anexos III e V variando alíquota de 6% a 15,5% o mais indicado nos casos em que não há funcionários registrados é o sócio alternar os valores de retirada de pró-labore.

Atualmente a maioria das academias tem optado pelo Lucro Presumido que hoje a tributação é em torno de 16,33% já considerando o ISS de 5%. Caso você queira que sua academia que já está no Regime do Lucro Presumido passe a ser do Simples Nacional poderá optar pelo enquadramento no mês de Novembro, desde que não possua dívidas na Receita Federal.

E aí gostou do nosso artigo? Você tem feito esse planejamento tributário para pagar menos impostos?

A Tokius Contabilidade é especializada em academias e atividades de Personal Trainers e pode contribuir muito para o crescimento do seu negócio ! Entre em contato e solicite sua proposta clicando aqui !

Deixe seu comentário abaixo e assina nossa Newsletter e receba muito mais dicas !!

Saiba como declarar seu imposto de renda 2018

Imposto de renda 2018 – Não Caia na Malha fina

Chegou a hora de fazer o Imposto de Renda 2018. Apesar de ser um processo que precisa ser feito todos os anos, muitas pessoas acabam cometendo pequenos erros que com que elas caiam na famosa Malha Fina.

Isso pode gerar uma série de problemas para o cidadão. Isso porque, dependendo do caso, ele pode ser enquadrando dentro do crime de sonegação, o que é extremamente grave.

Além disso, ele também estará sujeito ao pagamento de multas por conta de sua declaração. Por conta disso, é muito importante que você tome alguns cuidados básicos para evitar esse tipo de situação.

O que é a Malha Fina do Imposto de Renda 2018?

A Malha Fina é um processo de investigação realizado pela Receita Federal. Nele, o órgão analisa se há divergências ou incompatibilidades de informações apresentadas na Declaração do Imposto de Renda 2018.

No procedimento, são verificados todos os dados. Além disso, também é confirmada a veracidade dos conteúdos apresentados, perante outros órgãos do Governo Federal.

Se por um acaso a Receita Federal encontrar qualquer tipo de inconsistência nas informações, ela notifica o contribuinte. Logo, ele terá que corrigir o as informações dentro de um prazo estimulado pelo órgão.

Quais fatores levam o contribuinte a cair na Malha Fina do Imposto de Renda 2018

Para evitar cair na Malha Fina do Imposto de Renda 2018, é muito importante que você saiba quais são os principais fatores que acabam levando os cidadãos a ter esse tipo de problema. Confira abaixo.

-Omissão de informações financeiras, tais como comprovantes, notas ficais, rendimentos extras, patrimônio atual e etc.;

-Erros de informação durante o preenchimento do formulário de Imposto de Renda;

-Informações financeiras que se contradizem.

Na grande maioria das vezes, quem acaba caindo na Malha Fina do Imposto de Renda é porque deixou para fazer a declaração na última hora. Isso acaba fazendo com que o contribuinte preencha o formulário com pressa, e cometa erros básicos.

Além disso, a falta de organização também é outro fator bastante comum nesse tipo de situação. Como o documento precisa apresentar todas as informações do ano anterior, muitas pessoas acabam esquecendo de declarar ou anexar algo.

Por conta disso, o ideal é contar com a ajuda de um contador. O profissional te auxiliará a deixar todos os comprovantes e informações organizados, bem como a elaborar a declaração com calma e atenção.

Situações que mais geram erros de preenchimento

Qualquer incompatibilidade de informações pode fazer com que você caia na Malha Fina do Imposto de Renda 2018. No entanto, existem algumas situações mais comuns que acabam aumentando o índice de dados errados. São elas:

1. Variação Patrimonial
Quando há um aumento de patrimônio muito alto, que é incompatível com os rendimentos declarados, com toda a certeza o contribuinte acabará sendo notificado. Isso porque, esse tipo de aumento brusco pode indicar alguma omissão de receita, ou, até mesmo fraudes.

2. Pagamento de aluguéis
Outra situação que faz com que muita gente caia na Malha Fina são os aluguéis. Muitas pessoas não sabem, mas esse tipo de pagamento deve ser informado na ficha “Pagamentos e Doações Efetuados”.
É essencial que o cidadão informe todos os pagamentos e valores pagos ao proprietário do imóvel. Independente da quantidade. Apesar de não ser uma despesa dedutível, a omissão desse tipo de informação pode gerar multa.

3. Previdência Privada
A previdência privada sempre acaba causando confusão. Na hora de realizar a declaração do Imposto de Renda 2018, é muito importante que você tenha em mãos o informe com todos os rendimentos dela.
Durante o processo, é necessário informar o valor exato dos pagamentos feitos pela instituição financeiro. Além disso, também é essencial identificar qual tabela que rege o modelo de tributação.

Dicas para evitar esse tipo de problema

Para evitar cair na Malha Fina do Imposto de Renda 2018, é muito importante que você tome alguns cuidados básicos. Esses hábitos simples irão diminuir os riscos de alguma divergência de informação.

1. Separe os comprovantes por mês
A primeira coisa que você precisa fazer é separar todos os comprovantes de rendimentos e fiscais por mês. Dessa maneira, você terá acesso mais fácil as informações, evitando confusões.

2. Não deixe para a última hora
Nada deixar de fazer a sua declaração quando faltar pouquíssimo para o prazo se encerrar. Isso aumentas as chances de você colocar algum dado errado. Lembre-se, cada centavo é importante na hora de declarar.

3. Revise os dados ao menos três vezes
Dependendo do caso, o imposto de renda pode ter uma tonelada de informações. Para evitar que nenhuma delas seja enviada por engano, o ideal é revisar toda a sua declaração, pelo menos, três vezes.

4. Conte com a ajuda de um contador
Esse profissional irá auxiliar na organização de informações bem como na elaboração do documento. Com o auxílio dele, você diminuíra os riscos de declarar algo errado.

Aqui na Tokius Contabilidade sua declaração de imposto de renda é feita por contadores especializados! Solicite sua proposta e conheça os beneficíos de fazer sua Declaração de Imposto de Renda conosco!

Caiu na Malha Fina do Imposto de Renda 2018? Veja o que fazer

Se você caiu na Malha Fina do Imposto de Renda 2018 não é preciso de desesperar. Mesmo sendo notificado pela Receita Federal, você terá um prazo para fazer a retificação das informações.

A primeira coisa que você precisa fazer é descobrir qual foi o problema por meio do “extrato” do Imposto de Renda. Ele pode ser emitido através do site da Receita Federal no e-CAC (Centro Virtual de Atendimento).

Para acessá-lo, basta utilizar o código de acesso gerado pela própria página, ou o seu certificado digital. Uma vez identificado o problema, basta fazer a declaração retificadora, seguindo o mesmo processo do IR.

Pronto, você terá resolvido o seu problema na Malha Fina do Imposto de Renda 2018. Para evitar esse tipo de problema no próximo ano, lembre-se de seguir as dicas acima.

Que mais dicas? Então siga a gente nas redes sociais e sempre fique por dentro das novidades. Além disso, confira o artigo “Vai ficar mais de 12 meses no exterior? Saiba como declarar seu imposto de renda 2018 – Declaração de saída definitiva do país”.

Saiba como declarar seu imposto de renda 2018

Vai ficar mais de 12 meses no exterior? Saiba como declarar seu imposto de renda 2018 – Declaração de saída definitiva do país

Se você está pensando em viajar por pelo menos 12 meses para fora do Brasil, é muito importante lembrar de fazer a sua Declaração de saída definitiva do país.

Esse documento é indispensável para que você não tenha problemas com o Leão.
Ele é o último processo declaratório do Imposto de Renda da Pessoa Física que o cidadão irá fazer antes de ir para o exterior permanentemente. Esse tipo de procedimento pode ser realizado pela internet, o que garante mais comodidade para o contribuinte.

Caso você não apresente esse documento a Receita Federal, você pode vir a sofrer uma série de problemas, como, por exemplo, a bitributação. Além disso, caso você volte para o Brasil, é possível que os órgãos reguladores queiram cobrar tributos pelo seu patrimônio total, e não apenas o adquirido dentro do território nacional.

O que é Declaração de saída definitiva do país?

A Declaração de Saída Definitiva do País, basicamente, é o último documento de declaração que o contribuinte irá entregar a Receita Federal do Brasil. Uma vez que ela seja enviada para o órgão, o cidadão está livre dos tributos aplicados dentro do território nacional.

Ela precisa ser enviada por qualquer brasileiro que vá ficar no exterior por mais de 12 meses. Mesmo quem acabou viajando para ficar alguns dias ou meses, e resolver ficar de vez no outro pais, precisa fazer esse procedimento.

Condições que enquadram alguém como não residente do Brasil

Antes de aprender como fazer a Declaração de Saída Definitiva do País, é muito importante ver se você se enquadra dentro das condições de não residente. São elas:

-Quem não reside no Brasil em caráter permanente;

-Quem não se enquadrar nas condições do Conceito de residente no Brasil;

-Quem se retire permanentemente do país, e que, na data da saída, apresente a Comunicação de Saída Definitiva do País;

-Que, na condição de não residente, ingresse no Brasil para prestar serviços como funcionária de órgão de governo estrangeiro situado no País;

-Que entre no Brasil com visto temporário e que;
Fique até 183 dias, em até doze meses, sendo consecutivos ou não; até o dia anterior ao da obtenção de visto permanente ou de vínculo empregatício, se ocorrida antes de completar 184 dias, consecutivos ou não, de permanência no Brasil, dentro de um período de até doze meses;
Que se ausente do Brasil em caráter temporário, a partir do dia seguinte àquele em que complete doze meses consecutivos de ausência.

Se você se enquadra dentro de qualquer uma das condições acima, é muito importante que você faça a Declaração de Saída Definitiva do País. Assim, será possível evitar problemas com a Receita Federal.

Como fazer a Declaração de Saída Definitiva do País?

Para fazer a Declaração de Saída Definitiva do País, você precisa ter um programa específico da Receita Federal. Para baixa-lo, basta clicar nesse link. Em seguida, basta seguir o passo a passo abaixo.

-O primeiro passo é inicializar o programa. Você deve clicar no ícone que aparecerá na sua área de trabalho.

-Clique na opção “Criar Nova Declaração”

-Caso você já tenha o documento do ano anterior, basta selecionar a alternativa “Importar Declaração”.

-Uma nova janela se abrirá, onde você poderá identificar a pasta na qual está salva a declaração do último ano;

-Caso você não tenha feito, clique na opção “Criar nova sem importar”;

-Uma nova página será aberta, nela, você deverá clicar em Declaração de Saída Definitiva do País;

-Em seguida, digite o seu CPF e seu nome completo;

-Clique no botão “Ok”

-Na próxima página que irá aparecer, você deve clicar na alternativa “Declaração de Saída Definitiva Original” ou Retificadora, se for o caso.

-Preencha as informações do formulário

-Clique em salvar.

Pronto, a sua Declaração de Saída Definitiva do País já está feita. Agora, é necessário enviá-la para a Receita Federal. Para isso, baixe o programa Receitanet e envie o seu documento.

Pronto, agora você já pode viajar tranquilamente, sem medo de acabar tendo problemas com o pagamento de impostos brasileiros.

Prazo para a entrega da Declaração de Saída Definitiva do País

É muito importante ficar atento ao prazo de entrega do documento. No caso de quem pode planejar a viagem, é possível enviar o documento a partir do dia que o cidadão deixou o país até o último dia de fevereiro do ano subsequente.

Já no caso de quem acabou saindo e ficando sem planejamento, o prazo começa a valer no momento que a pessoa completa 12 meses fora do Brasil, até o último dia de fevereiro do ano subsequente.

Vantagens de fazer a Declaração de Saída Definitiva do País

Quem vai viajar para fora do Brasil quer mais é aproveitar a experiencia. Para que você não tenha problemas, é essencial fazer a Declaração de Saída Definitiva do País com antecedência. Isso porque, isso te trará uma série de vantagens.

1.Situação regular
Fazendo e declarando esse documento dentro do prazo, você garante que a sua situação continue regular enquanto você tiver fora do país. Assim, caso você retorne, não encontrará problemas com a Receita Federal.

2.Tranquilidade
Ao realizar esse processo com antecedência, você também viaja com mais tranquilidade. Isso porque não é preciso ficar se preocupando com as questões tributárias.

3.Evite cobranças indevidas
Além disso, ao apresentar esse documento a Receita Federal, você evita a bitributação, bem como a cobrança de impostos em cima do patrimônio obtido fora do Brasil. Ou seja, nada de cobranças indevidas.

Fazer a Declaração de Saída Definitiva do País é fácil. Basta se organizar e seguir o passo a passo acima. Assim, você terá uma viagem mais tranquila e sossegada.

Gostou dessas dicas? Então nos siga nas redes sociais e fique por dentro de todas as novidades. Aproveite e confira também o artigo “Imposto de renda 2018 – Não Caia na Malha fina”.

Fechar [x]